quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Guri Noel



Gente:

Embora goste desse momento do ano - esses dias que antecedem o Natal e a virada do calendário - os dias das festas em si há tempo que já me incomodam. É aquele clima de nostalgia, misturado com uma série de circunstâncias que essas festas forçosamente desenham...são certas presenças e certos comportamentos esperados por nós e pelos outros sobre nós...é o inevitável "balanço" do que passou somado a idéias transitando sobre o que virá e...enfim. Faço esforço para entrar "no clima" e para não aborrecer e me aborrecer.



Acontece que desta vez, o Pedro, com seus cinco meses de idade e de total incompreensão ainda do que vem a ser Natal e festejos de Ano Novo, veio dar um novo sentido a esses momentos.



Natal de fato combina com criança. Por isso esse ano, por exemplo, fiz a primeira (isso mesmo) a minha primeira árvore de Natal na minha casa. (Ok, serei justa, fizemos a árvore, eu e o Dê). E por isso, foi muito escolhida e cuidadosamente montada. Está linda.
Além disso, eu já nem me incomodo de ouvir as mesmas repetitivas musiquinhas de Natal. Vou confessar que quase gosto. Acho que acertei o tom desta vez e já consigo até sentir o que supostamente a civilização ocidental e cristã parece sentir nesta época e que tem sido traduzido pelo espírito de Natal.
Talvez as festas tenham se ressignificado sobretudo por conta desse presente incrível que a vida me deu. Ser mãe, mas especialmente ser mãe dessa coisinha mais fofa que não canso de contemplar e dizer a mim mesmo para que enfim eu acredite: é meu filho, é meu filho...fui em quem fiz...sou mãe dele...





Sem retórica e com muita verdade: "Feliz Natal para todos".

2 comentários:

Anônimo disse...

Fabi querida
Tu sabes que eu, ao contrário de ti, sou caretérrima e acho as luzes, as árvores, as músicas e os objetos decorativos de Natal lindos e maravilhosos, né? Mas preciso dizer que acho lindo - e até me emociono - ao te ver escrevendo sobre sentimentos que antes passavam despercebidos na tua vida... coisas que antes não tinham valor e que agora, com esse sentimento de família aflorado em teu coração, fazem parte da tua rotina.
Lindo sentir esse amor e essa felicidade. Tenho certeza que o Papai Noel foi muito generoso com vocês neste ano. E tenha certeza: ele existe!!! Ehehehehe!
Te adoro!
Beijos da Ju!

Fabi disse...

Ju, saudades de ti guria!!

De fato o Papai Noel foi generoso mesmo. O Pedro é um presente muito especial. Tão especial que altera a "lente" com que vemos o mundo.

E quanto a ti, sabes que distância e tempo são coisas que não existem quando a gente estabelece a mágica da cumplicidade e da empatia com certos amigos que fazem a diferença.

Um beijão para ti. Tudo de bom. Toda a felicidade bem merecida.